FILHOS DE IMPÉRIO E PÓS-MEMÓRIAS EUROPEIAS
FILHOS DE IMPÉRIO E PÓS-MEMÓRIAS EUROPEIAS
MENU

PÓS-MEMÓRIAS EUROPEIAS

 
PÓS-MEMÓRIAS EUROPEIAS

Qual é o foco da nossa investigação?

 

MEMOIRS estuda a Europa contemporânea a partir do impacto das memórias coloniais na geração surgida após a descolonização de África e a independência das antigas colónias de Portugal, França e Bélgica, analisando a incorporação dessas memórias em diferentes narrativas nacionais.

 

É um projeto sobre as pós-memórias daqueles que cresceram em Portugal, França e Bélgica, sem terem vivido os últimos anos do domínio colonial e os processos de descolonização na República Democrática do Congo, Argélia, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, ou tendo apenas memórias difusas de infância desses anos, mas que, quer através das histórias das suas famílias, quer através do contexto em que foram criados, elaboraram uma narrativa pessoal que é parte intrínseca da identidade da segunda geração.

 
FILHOS DE IMPÉRIO

Quem é o sujeito da nossa investigação?

 

O filho de império é alguém para quem o império, as guerras coloniais e a descolonização são já apenas representações. Ele não tem a titularidade da experiência, nem é o autor do testemunho, mas é o herdeiro simbólico de uma ferida aberta sobre a qual elabora uma narrativa construída a partir de fragmentos de narrativas da família, compostas por discursos, retratos, mapas, cartas, aerogramas e outros objetos do domínio privado, mas também de fragmentos retirados das narrativas públicas.

 

Os filhos de império não conheceram os últimos dias do colonialismo na República Democrática do Congo, na Argélia, em Angola, em Moçambique, na Guiné-Bissau, em Cabo Verde ou em São Tomé e Príncipe ou têm memórias remotas de infância dessa época. Não foram testemunhas diretas da descolonização destes países, mas, no entanto, foram marcados por este processo através das histórias das suas famílias e do contexto em que cresceram e, por isso, o passado colonial influencia de maneiras distintas a sua visão do mundo hoje.

 

Atualmente, o desafio é lutar pela descolonização do indivíduo, tanto na figura do ex-colonizado, como na do ex-colonizador, e promover condições para um diálogo pacífico, marcado pelo respeito mútuo.
 

 
METODOLOGIA

Qual é a nossa metodologia?

 

MEMOIRS é um projeto interdisciplinar e comparativo que visa densificar o nosso entendimento teórico da pós-memória em contextos pós-coloniais e ilustrar como as memórias coloniais intergeracionais estruturam as identidades dos três países objeto de estudo. Desta forma, MEMOIRS espera vir a proporcionar um quadro de abordagem para futuros estudos noutros contextos europeus.

 

MEMOIRS está a realizar um conjunto de entrevistas com os descendentes da geração envolvida nos processos de descolonização das colónias africanas de Portugal, França e Bélgica no continente africano e afetada por eles. Analisamos também as representações artísticas dos filhos de império como representações públicas de uma memória intergeracional. Para fazer justiça à complexidade do tema, a abordagem é interdisciplinar, agregando especialistas de estudos literários e culturais, estudos artísticos, história, sociologia, antropologia e relações internacionais.